segunda-feira, 22 de maio de 2017

3 anos

"If three years ago you told me I'd be here writing this song.
But here I am, next to you
The sky's so blue, in Malibu.
Sometimes I feel like I'm drowning and you're there to save me.
And I wanna thank you with all of my heart. It's a brand new start, a dream come true..." 

Parabéns para nós, pelos 3 anos juntos, amor! Que sejam multiplicados por 1.000 *-*

segunda-feira, 3 de abril de 2017

Falando sobre 13 Reasons Why

Nesse final de semana, eu maratonei a nova série da Netflix 'Thisteen Reasons Why' e senti que eu tinha que vir aqui, falar sobre ela.
Não vou dar spoilers, porque eu mesma não gosto de entrar em um blog e dar de cara com uma informação de uma série que eu pretendo ver, mas direi o básico para vocês.

A série conta a história de Hannah Baker, uma adolescente, vivendo a época do colégio, que decide tirar sua própria vida, pois não consegue mais encarar o mundo no qual ela vive. Hannah, logo no começo da história é surpreendida pela maldade adolescente de alguém que se considera 'amigo' dela e daí por diante, ao desenrolar da sua história, tudo parece acontecer em um infinito 'loop' onde ela sempre acaba sendo o alvo das maldades de seus colegas de escola.
Dentro de toda a história, muitas coisas acontecem, não só com ela, mas com seus colegas e suas famílias, assim como bullying, estupro, mentiras, falsidades, mortes, processos e outras coisas.

Mesmo sabendo ser uma obra de ficção, todos sabemos que coisas parecidas acontecem no nosso dia a dia, no meio dos nossas crianças, adolescentes e jovens. Coisas tais, que não queremos que aconteçam com ninguém. Eu também acompanho algumas páginas e perfis, que tratam dos assuntos abordados na série e vi algumas frases, que realmente retratam bem o que vivemos, como por exemplo, ''não seja um porquê". Não seja um motivo, pelo qual alguém se sinta mal, não seja alguém, que faça algo tão maldoso, que leve outra pessoa a fazer algo ruim com sua vida.
Outra frase citada na série: 'a verdade da Hannah não é a minha verdade'. O contexto no qual ela foi colocada na série foi completamente diferente, mas pensemos: essa frase também nos faz pensar que a verdade, a realidade de outra pessoa, é muito diferente da nossa. Temos muito costume de falar das pessoas, acreditar e espalhar boatos, mesmo que sejam por 'brincadeira', mas nós não sabemos o como as pessoas podem reagir à isso e como elas se sentem. O que achamos ser uma simples brincadeira, pode ser o motivo da tristeza dessa pessoa.

Mas agora, quero falar sobre outro assunto, algo que sai da série para o mundo real.

Professores, conselheiros, diretores, coordenadores... estejam de olho em seus alunos. Adolescentes podem ser maldosos, sim, vocês já passaram por isso e sabem... eu já passei por isso, e sei!
A vida de cada um deles importa e faz parte da sua responsabilidade.
Vamos ficar de olho, nos ater aos sinais de que algo está errado. Aos pedidos de ajuda silenciosos, aos olhos tristes quando respondem: 'está tudo bem' quando na verdade não está.

Que possamos ser humanos e sentir quando nossas crianças e adolescentes precisam de nós!

segunda-feira, 25 de abril de 2016

Questionando...

Um dia alguns caras assoviaram quando eu andava pela rua... eu tinha 12 anos de idade. Eu senti medo, vergonha, eu corri. Contei isso pra uma amiga... eu não sei o que acontecia, eu achava que era alguma coisa do tipo 'vou morrer se ficar aqui!'
Aí essa 'amiga' me disse: "Você deveria ficar feliz... isso quer dizer que você é bonita!" HEIN???

Então quer dizer que eu devo me portar como um 'objeto feminino', me vestir pra chamar atenção, me vestir para que uns caras nojentos na rua me chamem de 'gostosa'?
Nunca entendi essa lógica!

Eu prefiro ser chamada de inteligente, estudada, trabalhadora, independente...
E ser chamada de linda? Sim, claro! Mas só por quem me conhece, não só por fora, não só pelo meu cabelo 'semi' loiro, ou pelos meus olhos castanhos claros, não só pela minha pele, que sim, eu cuido muito bem, não só pelo meu batom ou meu perfume... por quem me conhece pelo que eu sou. Pela pessoa a qual eu me tornei, pela pessoa que eu sempre fui por dentro.

Um dia, eu já pensei comigo: "Eu não preciso de estudar... quando eu fizer 18 anos eu vou casar com um cara que vai me sustentar!" Porque será que eu pensava assim? Será que é por que é isso que aprendemos desde pequena? Que vamos crescer para casar? Só pra isso? Para procriar, cozinhar, cuidar da casa, lavar a roupa do marido..?

Graças a Deus eu cresci... com 18 anos eu percebi que fazer uma faculdade era bem melhor do que procurar um marido. Que ter um emprego e ganhar 'meu' dinheiro pra viver e comprar o que eu quero, seria muito melhor do que depender de alguém pra comprar o que eu quero.

Casar? Sim, lógico! Um dia... mas não como uma obrigação ou como um meio para ter sustento... sustento alheio, né!?

Eu tenho nojo e pena desses caras que acham que a gente gosta do que eles falam pra gente na rua (bem, tem umas que gostam, não?)
Acho que eles fazem isso pra tentar preencher o vazio que é não ter uma mulher em casa... ao lado deles... se eles soubessem que mulheres realmente gostam de caras que as admirem pelo que elas são... mulher não é só peito, bunda, coxa... mulher também tem um cérebro, sabia?

Eu sei que eu tenho... e eu não preciso dos seus assobios e dos seus 'elogios' pra saber que eu sou bonita. Eu tenho espelho! Eu tenho um namorado que me diz isso todo dia, eu tenho uma mãe que não me deixa esquecer de que a minha beleza, também está na minha alma, no meu coração, no meu cérebro.

Sei que esse texto não fará essas 'criaturas' mudarem, mas eu quero que todos eles saibam, o quanto nós mulheres (ao menos 90% de nós) não estamos a fim de sair de casa para sermos observadas e violadas... nós só queremos andar pelas ruas... em paz!

E tenho dito!

quarta-feira, 2 de março de 2016

20 anos sem Mamonas Assassinas


Nunca me esqueço de como recebi a notícia da morte do Mamonas Assassinas... Foi brutal, pois me deram essa notícia como um castigo, numa manhã de Domingo, numa aulinha, onde todas as crianças estavam bagunçando e pra fazer a gente parar, a 'tia' gritou pra gente 'aquela bandinha lá, que vocês tanto gostam, eles morreram viu!' ... me lembro até hoje, foi como uma facada no coração... 
20 anos sem Mamonas... ‪#‎saudadesMamonas‬

Sobre a corajosa mãe (do desafio do facebook)

Juliana Reis... 

Queria te dar os parabéns, pela coragem que teve!
Não sou mãe, mas desde muito nova, justamente por todos os motivos que você citou em seu post, eu fico naquela dúvida de se algum dia eu quero ser mãe!
Trabalhei por muito tempo em creche e via a luta das mães dos meus alunos e até mesmo via alguns 'abandonos' de mães que diziam não ter tempo para os filhos, pois trabalhavam muito pra poder sustentá-los.
Muitas mães julgavam elas, dizendo que eram mães ruins, mas elas podiam ser ausentes no dia a dia da criança, porém, estavam trabalhando para colocarem comida na mesa da criança.
Mães são julgadas o tempo todo, pois elas deveriam ser super heroínas perfeitas, mas ninguém é perfeito!
Sei que quando eu for mãe, não vou ser perfeita, não vou adorar que as pessoas fiquem o tempo todo querendo por a mão na minha barriga, querendo dar palpite de nome, muito menos ser aquela mãe que acorda pela madrugada, feliz, sabendo que estarei morrendo de sono!

Ju, estamos juntas! :*